Após cassação, MP pede prisão da ex-deputada Flordelis

IVIAGORA


O MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) pediu, nesta sexta-feira (13), a prisão preventiva da ex-deputada federal Flordelis, que teve seu mandato cassado pela Câmara dos Deputados.

A ex-parlamentar foi denunciada como a mandante da morte do ex-marido, o pastor Anderson do Carmo, ocorrida em junho de 2019, pelo Ministério Público do Rio de Janeiro em 24 de agosto de 2020. Na época, Flordelis não teve sua prisão pedida por deter imunidade parlamentar. Ela nega as acusações.

O MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) pediu, nesta sexta-feira (13), a prisão preventiva da ex-deputada federal Flordelis, que teve seu mandato cassado pela Câmara dos Deputados.

A ex-parlamentar foi denunciada como a mandante da morte do ex-marido, o pastor Anderson do Carmo, ocorrida em junho de 2019, pelo Ministério Público do Rio de Janeiro em 24 de agosto de 2020. Na época, Flordelis não teve sua prisão pedida por deter imunidade parlamentar. Ela nega as acusações.

Com a perda do mandato de parlamentar, a situação jurídica da ré deve ser revista, para sanar a desproporcionalidade que havia entre as medidas cautelares impostas e os fatos imputados e as condutas que a ré praticou para interferir na instrução e se furtar no momento da aplicação da lei penal”, diz o pedido encaminhado à 3ª Vara Criminal de Niterói.

No documento, destaca o MP que, ao longo de todo o processo, ficou claro que a liberdade da ré colocava em risco tanto a instrução criminal quanto a aplicação da lei penal e que, mesmo sendo cabível e necessária sua prisão preventiva, a decretação só não foi possível devido à imunidade parlamentar.