Menu
24 de outubro de 2021
10º min
16º min
14/10/2021 às 06h40

Diretor paraguaio é demitido por fabricação de munição usada em atentado


iviagora - douradosnews

O diretor de material de guerra das Forças Armadas do Paraguai, o vice-almirante Pedro Rubén Vallejos Denis, foi demitido do cargo na tarde desta quarta-feira (13) após confirmação de que parte das munições utilizadas no atentado que vitimou quatro pessoas - incluindo a filha do governador de Amambay Haylée Carolina Acevedo - saíram das Forças Armadas.

O diretor de investigação criminal da polícia paraguaia, o comissãrio César Silguero, afirmou ao ABC Collor que pelo menos 14 balas munições 5,56 tinham a inscrição Dimabel na base e, outras quatro, gravuras das Industrias Militares do Paraguai.

 

Segundo os investigadores, as balas foram provavelmente vendidas a facções que atuam na fronteira entre Brasil e Paraguai. Na semana passada, dois promotores paraguaios denunciaram que uma das pistolas calibre 9mm, apreendida com integrantes do Comando Vermelho, foi utilizada na libertação do narcotraficante Jorge Samudio Teófilo González, vulgo Samura, em 11 de setembro de 2019.

O subchefe da 1ª Delegacia de Polícia de Assunção, Comissário Félix Ferreira, foi morto durante uma operação e, então, descobriu-se que algumas armas apreendidas foram vendidas novamente a grupos criminosos. Depois do escândalo, funcionários da Dimabel apresentaram 7 fuzis de guerra - 2 de calibre 7,62 e 5 calibre 5,56 - além de 15 pistolas 9 mm.

Técnicos da Polícia Nacional investigam se as armas apresentadas são realmente as que foram apreendidas, ou outras colocadas durante a apresentação do armamento.

4 mortos em chacina

Pelo menos 100 disparos de diversos calibres foram feitos contra um SUV Trailblazer, na noite de sábado (9) em Pedro Juan Cabellero. Morreram na hora Kaline Reinoso, anos, Osmar Vicente Álvarez Grande, o 'Bebeto', Rhannye Jamilly e Haylée Carolina Acevedo Yunis, filha do governador do Departamento de Amambay.