Menu
25 de setembro de 2020
10º min
16º min
14/05/2020 às 11h41

Mourão: 'Nenhum país vem causando tanto mal a si mesmo como o Brasil'.


iviagora - uol

Mourão diz que o Brasil enfrenta a pandemia de modo "desordenado", já causando reflexos na economia.

O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, afirmou que vê o país a caminho do caos e que não enxerga outro lugar no mundo que esteja "causando tanto mal a si mesmo como o Brasil', em texto que assina no jornal O Estado de S. Paulo, publicado hoje.

Para o general da reserva, a pandemia do novo coronavírus não é só uma questão de saúde, mas já se tornou econômica e "pode vir a ser de segurança", em um momento de "estrago institucional".

"A crise que ela [a covid-19] causou nunca foi, nem poderia ser, questão afeta exclusivamente a um ministério, a um Poder, a um nível de administração ou a uma classe profissional. É política na medida em que afeta toda a sociedade e esta, enquanto politicamente organizada, só pode enfrentá-la pela ação do Estado", escreve ele no artigo.

Mourão diz que o Brasil enfrenta a pandemia de modo "desordenado", já causando reflexos na economia. "Pela maneira desordenada como foram decretadas as medidas de isolamento social, a economia do País está paralisada, a ameaça de desorganização do sistema produtivo é real e as maiores quedas nas exportações brasileiras de janeiro a abril deste ano foram as da indústria de transformação, automobilística e aeronáutica, as que mais geram riqueza. Sem falar na catástrofe do desemprego que está no horizonte."

Sem citar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), nem crises específicas enfrentadas por seu governo - que vem se chocando com o Legislativo e o Judiciário -, Mourão afirma: "Para esse mal [a covid-19] nenhum país do mundo tem solução imediata, cada qual procura enfrentá-lo de acordo com a sua realidade. Mas nenhum vem causando tanto mal a si mesmo como o Brasil. Um estrago institucional que já vinha ocorrendo, mas agora atingiu as raias da insensatez, está levando o País ao caos e pode ser resumido em quatro pontos."

O vice-presidente cita então os pontos: a "polarização" política, a "degradação do conhecimento político", a "usurpação das prerrogativas do Poder Executivo" e "o prejuízo à imagem do Brasil no exterior decorrente".

Sobre a polarização, Mourão faz críticas à imprensa e diz que "tornamo-nos incapazes do essencial para enfrentar qualquer problema: sentar à mesa, conversar e debater. A imprensa, a grande instituição da opinião, precisa rever seus procedimentos nesta calamidade que vivemos. Opiniões distintas, contrárias e favoráveis ao governo, tanto sobre o isolamento como a retomada da economia, enfim, sobre o enfrentamento da crise, devem ter o mesmo espaço nos principais veículos de comunicação. Sem isso teremos descrédito (...)"

O vice-presidente, no segundo ponto, critica quem "esquece que o Brasil não é uma confederação, mas uma federação", citando governadores, magistrados e legisladores que, segundo ele, agem acima das decisões do governo federal. No terceiro, Mourão volta a criticar "presidentes de outros Poderes" de tentarem exercer papel de presidente.