Menu
11 de julho de 2020
10º min
16º min
27/06/2020 às 06h49

Blogueiro preso pela PF estava apenas visitando a família, garante amigo


iviagora - cgnews

O blogueiro Oswaldo Eustáquio, que foi preso nesta sexta-feira, dua 26 de junho, pela PF (Polícia Federal) em Campo Grande, esteve em Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai, para visitar familiares. A informação é de Hugo Alves dos Santos, amigo do blogueiro “bolsonarista” investigado em inquérito do STF (Supremo Tribunal Federal), em entrevista ao site Metrópoles.

“Saímos de Brasília, onde Oswaldo mora há pouco mais de um ano, e seguimos para Ponta Porã para visitar os tios dele. Era algo que estava programado. Em seguida, iríamos para São Paulo ajudar o Jurandir e o Bronze”, disse Santos, que estava com Oswaldo Eustáquio no momento da prisão, no fim da manhã desta sexta-feira (26) em um hotel da Capital sul-mato-grossense.

Antônio Carlos Bronze e Jurandir Alencar são militares da reserva e foram presos por desobediência, descumprimento de medida sanitária preventiva e incitação ao crime, após manifestação em frente à casa do ministro Alexandre de Moraes, do STF, no dia 02 de maio. Os dois viraram réus por ameaça, difamação, injúria e perturbação do sossego.

Segundo o amigo, que também se apresenta como jornalista, cerca de oito policiais federais cumpriram mandados de busca e apreensão e prisão temporária - com validade de cinco dias – expedidos contra Eustáquio. Hugo Santos também afirmou ao Metrópoles que o amigo sabia que podia ser preso numa nova fase do inquérito que apura financiamento e organização de atos antidemocráticos contra o Congresso Nacional e o STF.

Em Pedro Juan Caballero, Eustáquio gravou vídeo dizendo que estava na terra da mãe dele, o Paraguai. Conforme matéria publicada no Agora Paraná, Florinda Gomes Eustáquio, conhecida como “Dona Paraguaia” no bairro onde morava em Curitiba, morreu aos 72 anos, em janeiro deste ano.

Na mesma linha de Jair Bolsonaro (sem partido), sempre minimizando os efeitos dos coronavírus, o jornalista diz no vídeo, postado minutos antes da prisão, que “além da sopa paraguaia”, o segredo do país vizinho para controlar a pandemia da covid-19 é manter o comércio aberto. “Aqui no Paraguai tem 13 mortes, no Paraguai inteiro. Ali, do outro lado da fronteira, em Ponta Porã, já tem mais mortes que aqui”, afirma completando que no Brasil, os números são superfaturados (veja o vídeo no fim do texto).

Na verdade, em Ponta Porã, até esta manhã, conforme boletim divulgado pela SES (Secretaria de Estado de Saúde), tinha 104 casos de coronavírus confirmados e duas mortes.

O Paraguai também tomou medidas restritivas radicais para garantir o isolamento social, como o fechamento da fronteira e o toque de recolher. Com exceção do Shopping China e do Planet Outlet, as lojas de Pedro Juan Caballero voltaram a funcionar no dia 25 de maio, mas com a fronteira fechada.

Em meados de março, o Paraguai anunciou o fechamento das fronteiras como uma das primeiras medidas para impedir a circulação do vírus. Brasileiros, portanto, não podem atravessar a avenida que divide Ponta Porã e Pedro Juan, a não ser em casos de dupla cidadania e com autorização prévia do Ministério da Saúde paraguaio.

Prisão

O mandado foi expedido pelo ministro Alexandre de Moraes, a pedido da PF (Polícia Federal), que alegou risco de fuga do investigado do Brasil. Oswaldo Eustáquio já havia sido alvo de mandado de busca e apreensão há duas semanas durante a Operação Lume.

Outros vídeos postados pelo jornalista mostram que ele é próximo de Sara Winter, investigada no mesmo inquérito e que também já foi presa.